sábado, 21 de janeiro de 2017

Minha cidade...

Foto: Alfredo Santana
Era uma vez, uma cidade muito desenvolvida. Mas, que como qualquer outra em todo o mundo, não era assim como hoje é.

Bem antes, quando eu era menino, a minha cidade praticamente não tinha nada. Era formada por apenas algumas casas - que até hoje sobrevivem ao tempo -, e com muito verde aos seus arredores. Além das árvores, havia um riacho bem próximo a minha residência, onde todos nós, crianças e adultos, mergulhávamos alegremente.

Hoje, como falei no início, ela é bem mais desenvolvida, porém sem a natureza tão marcante do ontem, o que a deixa bem mais seca e quente.

O que se ver agora são várias e várias casas, edifícios por toda parte, estradas, ferrovias, e muitos veículos. Casas comerciais, indústrias, hospitais, escolas, bares e lanchonetes.

Para colorir um pouco esta cidade, minha família e eu plantamos na frente de nossa casa, um monte de flores, construindo dessa forma um lindo jardim o qual eu posso ver pela minha janela.

Para mim, a cidade perfeita seria a que moro hoje, mas com um pouquinho da natureza de ontem.

Autor: Anselmo Santana

O silêncio da noite e as surpresas que ela traz

Certa noite, um garotinho chamado Kadu dormia tranquilamente em seu quarto numa cama confortável enquanto o silêncio reinava naquele lugar.

De repente Kadu escuta um barulho vindo lá de fora de sua casa. Com o barulho ele acorda assustado e com os olhos esbugalhados.

Já sentado na cama e morrendo de medo, o garoto fica na dúvida se abre a porta do quarto para ver que barulho estranho era aquele.

Ele pensa: e se for o bicho Papão?

Olha pela janela, trêmulo de medo, mas curioso para saber o que é... e vê que é apenas o seu gato Mimi mexendo nos tambores de lixo.

Ao ver a cena, o pobre do Kadu respira aliviado e volta a dormir tranquilamente em sua velha e amiga cama.

Anselmo Santana

Era noite

Eu não encontrei alguém 
Que quisesse ser você
Só para eu ter um momento
De emoção e de prazer
O mundo é tão enorme
Sem você perto de mim
De minha boca só sai teu nome
Quando estou sozinho assim
Era noite quando ouvi
Era noite quando vi
Seu sorriso ir embora
Ir pra bem longe de mim
Era noite quando senti
Era noite quando sofri
Era noite quando o mundo só lembrou de você
E em frações de segundos esqueceu de mim
Era noite quando sorri
Era noite quando chorei 
Era noite quando eu decidi 
Que não queria mais sofrer por todo esse amor
Era noite quando eu vi
Que não havia mais amor
E você não me amava
Como sempre me falou
Eu que te pedia todo dia pra você
Não deixar o nosso amor acabar
Foi uma história mesclada de amor e ilusão 
Que não deu pra vingar
Você que me dizia que a estrada do amor 
Pra nós dois seria longa demais
Mas o que você fez pra pelos menos
Me convencer que poderíamos tentar?
Agora que se fui você vem me dizer
Que o melhor pra nós dois seria voltar
Mas era noite quando infelizmente falei:
Olha amor, sinto, mas não dá.  

Anselmo Santana

Um poeta

Posso parecer um poeta
Mas um poeta não sou
Apenas escrevo o que sinto
Do que seja o amor...

                                                                  Anselmo Santana

Desilusão

Cai a noite no jardim
Chuva fina a cair
Eu olhava pra você 
Vendo você sair
Com seu rosto molhado
Nem se quer percebeu
Que estava ao seu lado
Um alguém que era eu
Choravas em meio a tanta gente
Lágrimas caiam numa flor
De um sorriso contente
Passou a lágrimas de dor
Ofereci-lhe meu ombro amigo
Pra que pudesse chorar
Abriu-se comigo
Começou-me a contar
Teve seu amor arrancado
Do fundo do coração
Coração agora quebrado
Por uma triste desilusão
A quem deste amor e carinho
Não te soube valorizar
Procurou outro caminho
Buscando outro alguém encontrar
Ao saber do seu status de pobre
Resolveu te abandonar
Busca-te tua sorte
Que um dia irá encontrar.

                                                                                                Anselmo Santana 

Lembranças daquele dia

Foi à beira de um rio
Que conheci você
Nosso primeiro beijo ninguém viu
Nem nossa noite de prazer.

Lembranças daquele dia

Que ficamos juntos
Era eu e você
Entre lendas e contos
Você estava tão bonita
Nossos corações em um só
Juntos em uma só vida
O eclipse da lua e o sol

Um corpo de menina

Um linda paisagem
Na água cristalina
Refletia sua linda imagem

Lição do amor

Cai a noite no jardim
Chuva fina a cair
Eu olhava pra você
Vendo você sair
Seu rosto molhado
Nem se quer percebeu
Que estava ao seu lado
Um alguém, era eu.

Chorava em meio a tanta gente
Gotas caiam numa flor
De um sorriso contente
Passou a lágrimas de amor
Ofereci-lhe meu ombro amigo
Suas lágrimas enxuguei
_"Fique em silêncio e comigo
Não me fale o que já sei"

Foi um namoro acabado
Uma paixão terminou
Um coração quebrado
Uma lição do amor

                                                                        Anselmo Santana

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Um pouco de minha vida

A cada carta, a cada verso que escrevo
A cada canção, a cada garota que desejo
A cada sonho, a cada hora que se passa
A cada emoção de quem chora sem farsa
Lembro um pouco de minha vida

A cada dia, a cada noite que se vai
A cada sensação, a cada palavra que me sai
A cada ida, a cada volta que faço
A cada ilusão, a cada momento que passo
Lembro um pouco de minha vida

A cada lua, a cada estrela que vejo
A cada rosto, a cada boca que beijo
A cada cravo, a cada flor que nasce
A cada abraço, a cada amor que renasce
Lembro um pouco de minha vida
Lembro um pouco de minha vida


Anselmo Santana - 13/09/2000

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A flor e o jardineiro

FOTO DA INTERNET - MERAMENTE ILUSTRATIVA
Tu és como a flor em campo verde. Tens uma beleza radiante como tal. Uma beleza única. Única e exclusiva das flores.

Pretendo ser, para sempre, o jardineiro que te admira e te cuida com tamanha dedicação.  Cuido de ti sim, para vê-la sempre com radiante e meiga, bela e serena. Por isso sempre estarei te regando com meus sentimentos: carinho, compreensão, dedicação, harmonia, sinceridade, verdade, mas principalmente com o mais belo e forte de todos os sentimentos: o amor.

Às vezes, eu sei, sou um pouco displicente com essa flor. Porém, quando sou assim, é para que flor e jardineiro sigam o melhor caminho juntos. É único e exclusivamente para que essa flor cresça interiormente com sabedoria e bondade. Para que a mesma entenda que um amor entre flor e jardineiro não pode se esgotar.

Enfim, todos os dias de minha vida estarei a te cuidar com meus múltiplos sentimentos, para que tu, minha linda e radiante princesa das flores, possa crescer bela e verdadeira como brotastes em meu campo verde, em meu coração.


Anselmo Santana

sábado, 15 de novembro de 2014

Lembro de você

Vou à praia e posso sentir
A brisa me tocar
Sempre lembro de ti
Quando vejo o mar.

Sentado sobre pedras 
Tentava te esquecer
Mas diante de mim um cenário tão lindo
Só me lembrava você.

"Lágrimas vão no vento
Num vento que passou
É pena que esse vento
Não leva a minha dor".

Olho para o norte
E a linha do horizonte me distrai
Preciso seguir minha sorte
Saber para onde vai.

De todos os nossos planos
É que tenho mais saudades
E dizer que tudo foi engano
Seria a mais pura maldade.

Agimos certos sem querer
Ninguém de nós errou
Sejamos eu e você
Esse verdadeiro amor
Lembro que o plano era
Manter nossa paixão
O amor estava unido em um só coração.

Anselmo Santana - 02.07.2001